Favorito >> Atlético-MG

  • O Atlético-MG tem a segunda melhor campanha mandante (9V, 3E, 1D, 77%) com o melhor ataque mandante (29 gols em 13 jogos, média 2,23) e a quarta melhor defesa caseira (11 gols sofridos, média 0,85) e recebe o Coritiba, segunda pior campanha visitante (2V, 3E, 8D, 23%) com a segunda pior defesa (24 gols sofridos em 13 jogos, média 1,85). A tendência é o Atlético-MG buscar o jogo aéreo, já que sete dos últimos dez gols saíram dessa forma, e o Coritiba venha levando metade de seus gols assim.
  • Há forte potencial para gol de contra-ataque do Atlético-MG. Além de a equipe ser a que mais gols fez dessa forma (sete gols, sendo seis deles em casa), o Coritiba é o terceiro time que mais levou gols em contragolpes (foram cinco, todos eles quando visitante, como nesta rodada). Mas não será surpresa também se o Coritiba conseguir um gol dessa forma, pois já fez quatro assim (sétima marca, três quando visitante), e o Atlético-MG já levou seis, pior desempenho. A chance é menor porque cinco dos gols sofridos pelos mineiros foram quando visitante.
  • Em média, o ataque mineiro faz 16,9 finalizações em casa e um gol a cada 7,6. Ambas são a quarta melhor marca caseira. Fora, o Coritiba sofre em média 15,8 finalizações (terceira pior marca) e um gol a cada 8,5 conclusões (quinto visitante que menos suporta pressão). Quando vai ao ataque, o Coritiba fora de casa faz em média 10,4 conclusões (12ª marca) e um gol a cada 9,6 tentativas (sétima marca). Em casa, o Atlético-MG sofre em média 9,2 finalizações (quinto melhor desempenho) e leva um gol a cada 10,9 conclusões sofridas (nona marca).
 — Foto: Espião Estatístico

— Foto: Espião Estatístico