Se Paulão e Ernando pretendem acabar com as desconfianças da torcida e recuperar o prestígio, precisarão redobrar a dedicação. O início de ano tem sido delicado para a dupla. Nos primeiros trabalhos com bola, os zagueiros têm participado do terceiro time do Inter.

A temporada acabou de começar, é verdade. Odair Hellmann sequer tem uma semana de treinos à frente da equipe. Porém, o técnico já demonstra como pretende atuar nos primeiros jogos do Gauchão. A dupla de zaga titular, até o momento, tem Klaus e Víctor Cuesta. Danilo Silva e Thales formam a reserva. Só então aparecem Paulão e Ernando.

Paulão (E) treina na volta ao Inter em busca de espaço (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)

Paulão (E) treina na volta ao Inter em busca de espaço (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)

O status atual aponta para, caso surjam propostas, uma liberação de ambos. Paulão, aliás, retornou ao Beira-Rio neste começo de ano após atuar pelo Vasco no Brasileirão e ajudar os cariocas a conquistar uma vaga à Libertadores. Em entrevista recente ao GloboEsporte.com, o vice de futebol Roberto Melo deixou o futuro do defensor aberto.

- O tempo dirá. Ele (Paulão) está integrado ao grupo, assim como ocorreu no ano passado. Depois saiu. Está integrado neste momento e, como todos os outros, receberá oportunidade. Se surgir alguma coisa, o que, no momento, não há nada, analisaremos o que for melhor – decretou Melo.

Ernando também tenta recuperar o tempo perdido. O zagueiro, que permaneceu no Beira-Rio, passou por uma cirurgia de hérnia de disco em outubro, o que o alijou das partidas derradeiras pela Série B.

A situação nem de perto remete ao que vivia a dupla até o fim de 2016. Ambos gozavam de prestígio com os treinadores. Eram titulares da equipe e líderes no vestiário. Inclusive envergaram a braçadeira de capitão.

Ernando divide com Uendel no CT do Parque Gigante (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)

Ernando divide com Uendel no CT do Parque Gigante (Foto: Ricardo Duarte / Internacional / Divulgação)

Tal cenário, que culminou com o inédito rebaixamento colorado, os colocou na alça de mira de parte da torcida. Acabaram marcados como culpados pelo descenso. Chegaram a ter os nomes pichados em postes de luz nas imediações do Centro de Treinamentos do Parque Gigante. Melo sabe da animosidade a qual enfrentam, mas vê cobrança em excesso.

- Evidente que não é bom. Há outros jogadores que estavam aqui e ficaram mais marcados que outros pelo rebaixamento. Vejo que foi até demasiado. Evidente que quem participou tem uma parcela de culpa, mas entendo que não foi a maior. Houve muita coisa errada em 2016 que culminou com o rebaixamento. Colocar em um, dois ou três atletas a culpa por isso é quase que uma injustiça – declarou.

A tarefa para voltar a contar com o prestígio ainda está próxima de ganhar mais um obstáculo. O Inter está com um emissário na Grécia para tentar a contratação de Rodrigo Moledo junto ao Panathinaikos.

Até o momento, a direção contratou os laterais-direitos Dudu e Ruan, os volantes Gabriel Dias e Patrick, o atacante Wellington Silva e o centroavante Roger. Enquanto isso, Paulão e Ernando trabalham para subir degraus na hierarquia do sistema defensivo.

# Compartilhe...FacebookTwitterGoogle+LinkedInPinterestEmail