No sábado, 05/01, a Polícia Militar foi acionada por uma senhora que solicitou a presença da equipe policial em sua residência na Rua Juscelino Kubistchek, Bairro Cruzeiro, em Santana do Manhuaçu.

Os militares então deslocaram-se até o local e a mulher informou que suas netas de 6 e 7 anos, respectivamente, estavam se queixando de dores no momento de irem ao banheiro, inclusive com grande dificuldade de caminhar. Ela questionou suas netas e elas informaram que o padrasto no momento em que ficaram sozinhas com ele, teria tirado suas vestes e introduzido o dedo em seu órgão genital, causando dores, e que elas pediam para ele parar, contudo ele dizia que não. Após o ato criminoso ele ameaçou as de morte e também dizia que iria bater nelas caso contassem para alguém. A mulher tomando conhecimento desta situação acionou a PM.

Diante da versão apresentada com muita dificuldade e vergonha pela mulher, ambas as crianças foram encaminhadas ao posto de saúde do município onde foram atendidas pela equipe médica de plantão constatando hematoma em grandes lábios, edema local e aparentemente hímen rompido. Equipe médica ainda forneceu encaminhamento para unidade de pronto atendimento de Manhuaçu para realização de exames complementares.

Foi feito contato com a conselheira tutelar que acompanhou a ocorrência auxiliando nos trabalhos de conversa com as crianças e também com a avó.

Para a conselheira tutelar as crianças se mostraram confusas, não sabendo afirmar com exatidão o dia do acontecimento da ação, disseram que foi sexta ou sábado, valendo salientar que durante as ações elas não estavam juntas, ou seja, cada ação aconteceu em um momento. Que o padastro levantava a saia delas, abaixava a calcinha e introduzia o dedo no órgão genital delas, e que após o ato ficava fazendo carícias. Elas informaram para a conselheira tutelar que pedia para que ele cessasse a ação, contudo ele insistia. As crianças relataram que esse tipo de situação teria ocorrido uma única vez, e que ocorreu no momento em que sua mãe e seus irmãos não estavam em casa. Relataram para a conselheira que eram ameaçadas de morte e com relação a sua integridade física caso contassem para alguém. Chegaram a falar alguma coisa para sua mãe e ela disse que não era para elas contarem nada disso para ninguém.

Diante da constatação médica, os militares deslocaram-se ate a residência do padastro, onde ele foi localizado e preso pelo cometimento, em tese, do crime de estupro. Indagado ele negou a versão apresentada pelas crianças.

Informações da PM

 

# Compartilhe...FacebookTwitterGoogle+LinkedInPinterestEmail